Eu já.

Você já assistiu alguém em quem você estava interessado ficando com outra pessoa na sua frente? Já resolveu tentar mesmo assim num outro dia? Já fez convite pra não correr o risco de vocês se perderem? Já fez outro convite? Já virou uma noite inteira sem dormir, e na outra voltou pra ficar sem dormir de novo, só pra encontrar essa pessoa outra vez? Já voltou pra casa de manhã depois de levar essa pessoa em casa, dirigindo 150km com sono, parando no meio do caminho pra fechar os olhos por cinco minutos, mesmo que não houvesse ninguém acordado pra perguntar se você chegou bem? Você já convidou alguém que você mal conhecia pra ficar na sua casa, dormir e acordar com você, partilhar da sua vida, viajar com você? Você já teve medo de se entregar para um novo relacionamento, pediu paciência, e ouviu de resposta que essa pessoa queria cuidar de você e ia mostrar que podia confiar nela? Você já gastou o que não tinha, só pra ofecer um carinho qualquer pra essa pessoa? Já comprou presentes sem motivo, já planejou, sonhou e teve que abrir mão? Você já empregou seu tempo em algo que não era importante pra você, mas era importante pra essa pessoa? Já passou horas pensando em saídas pra problemas que não eram seus, só pra ver uma ruga a menos na testa desse alguém? Já arquitetou soluções estratégicas, lógicas, emocionais, institucionais, legais, comerciais, financeiras,  empresariais.. pra situações que de nada tinham a ver com você? Já colocou alguém em todo e cada pedacinho da sua vida? Você já pegou uma pessoa pela mão e apresentou pra todos os seus amigos de uma vida inteira, pros amigos novos, pra sua família, seus conhecidos e fez com que essa pessoa estivesse presente mesmo onde não estava, de tanto que você falava nela com carinho? Você já se evolveu em projetos que não eram seus, em responsabilidades que não eram suas, só pra sentir que ajudou essa pessoa? Você já ouviu palavras que mal parecem terem saído da mesma boca que dizia querer cuidar de você? Já esperou um carinho que nunca vem? Já pediu socorro pra essa pessoa pra te ajudar a recuperar o que havia há tão pouco tempo? Você já resolveu insistir e fazer sua parte até o limite do possível? Já fez um pouco do impossível por alguém? Já se entregou e esperou pacientemente que a outra pessoa percebesse que, entre tudo, além de tudo, apesar de tudo era você que estava ali? E que essa pessoa soubesse que, se não restasse mais nada, você continuaria ali também? Já soube o que é a dor dessa pessoa não ver? Ou fingir que não viu? Você já foi forte o bastante pra insistir mesmo assim? Já engoliu o orgulho e resolveu oferecer seu amor e esperar que viesse amor em troca? Você já quis defender essa pessoa das maldades reais e virtuais? Já sentiu seu coração disparar quando viu essa pessoa em perigo e ficou sem viver direito até encontrar essa pessoa e poder dar um abraço? Você já mobilizou outras pessoas em nome do seu amor por essa pessoa? Você já abriu mão da recompensa financeira pelo seu trabalho em algum lugar, só pra empregar esse dinheiro e levar aquela pessoa pra esse lugar com você? Você já pediu desculpa por perder a cabeça mesmo quando essa pessoa parece nem ligar pro que há em seu coração? Já sentiu falta dessa pessoa num dos dias mais difíceis que já teve? Já ponderou que estava sempre disponível pra essa pessoa e não tinha um porto-seguro pra onde correr de volta? Você já matou saudade da pessoa que tá do teu lado com mensagens que ela te mandou há meses? Já pediu um abraço? E pediu de novo? E mais uma vez até ouvir que tantos pedidos são ruins? Já ouviu que o carinho que você sente falta, pode vir, ou não, e se você não aceitar que seja dessa maneira, é melhor procurar outra pessoa? Você já se trancou no banheiro do trabalho e chorou até alguém te arrancar de lá? Já chorou sem conseguir parar? Você já ouviu de todos os seus amigos e de todos os amigos em comum, que você fez tudo o que podia por essa pessoa e pediu pouco demais em troca? E você já pensou que sua dor pode ser tão indiferente pra essa pessoa quanto você parecia ser? Já pensou que aquela pessoa pode não dar importância pro que te fere, como você sempre deu ao que a atingia? Já enfrentou uma guera interna entre seu amor-próprio e seu amor por essa pessoa? Você já esperou no fundo do seu coração que essa pessoa sentisse sua falta a ponto de perceber tudo isso? Já desejou que o eco das broncas dos amigos iluminasse as atitudes dessa pessoa? Já quis acreditar que alguma coisa, de alguma forma, vai mostrar pra essa pessoa que ser inflexível nunca levou ninguém a lugar nenhum? Já esperou que essa pessoa não quisesse ficar longe de você e entendesse que mudar faz parte da vida? Você já desejou em cada segundo do seu dia que essa pessoa enxergasse que nós crescemos, amadurecemos e muitas vezes cedemos às necessidades do outro por amor?

Eu já.

 

Anúncios

3 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Carol Montojos
    mar 18, 2011 @ 11:57:18

    Algo parecido… eu já! 😉
    Bjinhuss =***

    Responder

  2. @AlexandreMedina
    mar 22, 2011 @ 16:22:43

    Profundíssimo !

    Responder

  3. Marcelo Ferreira
    mar 23, 2011 @ 15:08:08

    Nossa, esse texto dá pra muitas pessoas se identificar. Só que não adianta muito se não fizer nada pra que essa situação mude.
    Adorei o texto e é o cotidiano de várias pessoas!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: