Manifesto dos humoristas.

Semama passada, comemorando dez anos na Globo, Jô Soares leu no encerramento do seu programa o “Manifesto dos Humoristas”. Este texto foi escrito por ele e publicado a primeira vez na coluna que ele manteve por anos na Revista Veja, na edição de 31 de Janeiro de 1990. O texto voltou e ser publicado nesta mesma coluna anos depois, na edição de 14 de Fevereiro de 1996. O texto tem, portanto, mais de vinte anos, e continua atual e engraçado!

Durante os sete anos em que o Jô escreveu pra Veja (começou em 1989), minha mãe iniciou uma valiosa coleção dessas publicações. Infelizmente não tenho todas, mas pelo menos grande parte delas, que guardo com muito carinho! E fiquei feliz quando, na ocasião desse programa, postei uma foto desse impresso no twitter e recebi vários comentários de pessoas pedindo o texto completo do Manifesto. Pois bem, aqui vai ele! Em troca, vcs bem que podiam ir no site do Jô e mandar um email dizendo que tenho essa coleção, quem sabe ele não resolve me entrevistar?? Hahhahahha..

Manifesto dos Humoristas  (Jô Soares)

Pouca gente sabe, mas, no ano de Mil Setecentos e lá vai fumaça, os humoristas, indignados com o que estava acontecendo com o humor e, sem saber, aliás, o que era, reuniram-se em Talugar e resolveram publicar um manifesto, que, por ser deles mesmos, passou a chamar-se “Manifesto dos Humoristas”. Depois de anos de completo anonimato, vem à luz esse precioso documento, que transcrevemos a seguir.

Suficientemente aborrecidos a ponto a ponto de darmo-nos ao trabalho de redigir esse documento, resolvemos tomar atitudes enérgicas para debelar tudo o que tem sido feito contra o Humor, em nome da gargalhada. Cansados da usurpação de alguns amadores que insistem em querer fazer mais graça do que nós e como proteção à própria classe, decidimos que qualquer engraçadinho que pretenda dedicar-se à ilustre tarefa de fazer rir, siga à risca as dez regras deste manifesto, sob pena de não acontecer coisa nenhuma.

 1. Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político.

 2. Quem ri por último nem sempre ri melhor. Às vezes, ele não entendeu a piada.

 3. Faça piada velha para público novo e piada nova para público velho.

 4. Não se esqueça; mais vale um sorriso de admiração do que uma gargalhada de deboche.

 5. Evite piada em velório. No seu, você não rirá.

 6. No terreno das aves, basta! Já há quinze anedotas para cada papagaio.

 7. Prefira as curtas. Nunca tantos rirão tanto por tão pouco.

 8. Preocupe-se com a pontuação. “Doutor, morto está! Tarde chegamos!” é bem diferente de “Doutor morto, esta tarde chegamos.”

 9. Se não rirem da primeira vez, não desanime, Pode ser por respeito.

 10. Se não rirem nunca, não desanime. Tente o drama,

 Quem infringir qualquer dessas regras fica condenado à cinqüenta anos de trocadilho.

 

bjo, pessoas!

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Bruno Romano
    ago 17, 2010 @ 15:44:40

    Muito bom Criss!

    Isso parece um Manual de Stand-up, especialmente na parte de fazer humor de graça e de engraçadinhos que querem aparecer mais do que você.

    Beijo.
    Bruno Romano.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: